Os Quarenta Notáveis


MN 117

Maha-cattarisaka Sutta:

traduzido do Pali
para o Inglês
por
Thanissaro Bhikkhu




Ouvi dizer que em certa ocasião, o Abençoado estava em Savatthi, no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika. Ali ele dirigiu-se aos bhikkhus: "Bhikkhus"

"Sim, Senhor," responderam os bhikkhus.

O Abençoado disse: "Bhikkhus, vou-vos ensinar a nobre concentração correcta com os seus apoios e condições necessárias. Ouçam e prestem muita atenção. Vou falar."

"Sim, Senhor," responderam os bhikkhus.

O Abençoado disse: "Assim sendo, o que é, bhikkhus, a nobre concentração correcta com os seus apoios e condições necessárias? Qualquer unicidade da mente equipada com estes sete factores - entendimento correcto, pensamento correcto, linguagem correcta, acção correcta, modo de vida correcto, esforço correcto e atenção plena correcta - é chamada a nobre concentração correcta com seus os suportes e requisitos.

[1] Destes, o entendimento correcto é o precursor. E como é que o entendimento correcto vem primeiro? A pessoa compreende o entendimento incorrecto como entendimento incorrecto, e entendimento correcto como entendimento correcto. Isto é um entendimento correcto. E qual é o entendimento incorrecto? "Não há nada dado, nada que seja oferecido, nem nada que seja sacrificado. Não há fruto ou resultado de acções boas ou más. Não existe este mundo nem outro mundo, nem mãe, nem pai, nenhum ser que renasça espontaneamente, nem brâmanes ou contemplativos que, agindo correctamente e praticando correctamente, proclamem este mundo e o próximo, depois de terem conhecido e compreendido directamente por eles mesmos. " Este é o entendimento incorrecto.


E qual é o entendimento correcto? O entendimento correcto, eu vos digo, é de dois tipos: há o entendimento correcto com impurezas, que é associado ao mérito, e que resulta em apegos: e há entendimento correcto nobre, sem impurezas, transcendente, e que é um factor do caminho.


E qual é o entendimento correcto que tem impurezas, que é associado ao mérito e que resulta em apegos? 'Há o que é dado, o que é oferecido e o que é sacrificado. Há frutos e resultados de boas e más acções. Há este mundo e o outro mundo. Há mãe e pai. Há seres que renascem espontaneamente; existem brâmanes e contemplativos que, bons e virtuosos, proclamam este mundo e o próximo, depois de terem conhecido e compreendido directamente por eles mesmos. " Este é o entendimento correcto que tem impurezas, que é associado ao mérito, e que resulta em apegos.

E qual é o entendimento correcto que é, sem impurezas, transcendente, e que é um factor do caminho? O discernimento, a faculdade de discernimento, a força de discernimento, a análise das qualidades como um factor do Despertar, o factor do caminho do entendimento correcto, dum desenvolvimento do caminho nobre, cuja mente é nobre, cuja mente está livre de impurezas, que é totalmente possuída pelo caminho nobre. Este é o entendimento correcto que é sem impurezas, transcendente, e que é um factor do caminho.


Se alguém tenta abandonar o entendimento incorrecto e penetrar o entendimento correcto: Este é o esforço correcto. É-se consciente de abandonar o entendimento incorrecto, penetrar e permanecer no entendimento correcto: Isto é a atenção plena correcta. Assim, estas três qualidades - entendimento correcto, esforço correcto e atenção plena correcta - giram em torno do entendimento correcto.


[2] Destes, o entendimento correcto é o precursor. E como é que o entendimento correcto vem primeiro? A pessoa compreende o pensamento incorrecto como pensamento incorrecto, e o pensamento correcto como pensamento correcto. E o que é o pensamento incorrecto? É estar com o pensamento na sensualidade, na má vontade, e na violência. Isto é o pensamento incorrecto.


E o que é o pensamento correcto? O pensamento correcto, eu vos digo, é de dois tipos: Há o pensamento correcto com impurezas, associado ao mérito, e que resulta em apegos; e existe o pensamento correcto nobre, sem impurezas, transcendente, e que é um factor do caminho.


E o que é o pensamento correcto que tem impurezas, que é associado ao mérito, e que resulta em apegos? Ser resoluto na renúncia, na libertação da má vontade, e na não-violência. Este é o pensamento correcto que tem impurezas, que é associado ao mérito, e que resulta em apegos.


E o que é o pensamento correcto que é, sem impurezas, transcendente, e que é um factor do caminho? É a reflexão, o pensamento direccionado, o pensamento (mental) estável, imóvel, a consciência focalizada, e as formações verbais daquele que desenvolve o caminho nobre, cuja mente é nobre, cuja mente é sem impurezas, que está totalmente possuído pelo caminho nobre. Este é o pensamento correcto, que é sem impurezas, transcendente, e que é um factor do caminho.


Se alguém tenta abandonar o pensamento incorrecto e penetrar no pensamento correcto: Este é o esforço correcto. É-se consciente de abandonar o pensamento incorrecto, penetrar e permanecer no pensamento correcto: Esta é a atenção plena correcta. Assim, estas três qualidades - entendimento correcto, esforço correcto e atenção plena correcta - giram em torno do pensamento correcto.


[3] Destes, o entendimento correcto é o precursor. E como é que o entendimento correcto vem primeiro? A pessoa compreende a linguagem incorrecta como linguagem incorrecta, e linguagem correcta como linguagem correcta. E o que é a linguagem incorrecta? É a mentira, é repetir as conversas de outrem, ter conversas abusivas, e conversas fúteis. Esta é a linguagem incorrecta.


E o que é a linguagem correcta? A linguagem correcta, eu digo, é de dois tipos: Há a linguagem correcta com impurezas, que é associada ao mérito, e que resulta em apegos; e há a linguagem correcta nobre, sem impurezas, transcendente, que é um factor do caminho.


E o que é a linguagem correcta que tem impurezas, que é associada ao mérito, e que resulta em apegos? É a que se abstêm da mentira, da discórdia, de repetir as conversas de outrem, da linguagem grosseira, e da linguagem frívola. Esta é a linguagem correcta que tem impurezas, que é associada ao mérito, e que resulta em apegos.


E qual é a linguagem correcta que é sem impurezas, transcendente, e que é um factor do caminho? É a abstenção, o desistir, a abstinência, a prevenção das quatro formas de má conduta verbal, daquele que desenvolve o caminho nobre, cuja mente é nobre, cuja mente é sem impurezas, que está totalmente possuído pelo nobre caminho. Esta é a linguagem correcta que é sem impurezas transcendente, e que é um factor do caminho.


Se alguém tenta abandonar a linguagem incorrecta e penetrar a linguagem correcta: este é o esforço correcto. É-se consciente de abandonar a linguagem incorrecta e penetrar e permanecer na linguagem correcta: Esta é a atenção plena correcta. Assim, estas três qualidades - entendimento correcto, esforço correcto e atenção plena correcta - giram em torno da linguagem


[4] Destes, o entendimento correcto é o precursor. E como é que o entendimento correcto vem primeiro? A pessoa compreende a acção incorrecta como acção incorrecta, e a acção correcta como acção correcta. E qual é a acção incorrecta? Matar, tirar o que não é dado, e a prática de sexo ilícito. Estas são acções incorrectas.


E o que é a acção correcta? A acção correcta, eu vos digo, é de dois tipos: Há a acção correcta com impurezas, que é associada ao mérito e que resulta em apegos; e há a acção correcta nobre, sem impurezas transcendente, e que é um factor do caminho.

E qual é a acção correcta que tem impurezas, está associada ao mérito, e que resulta em apegos? É abster-se de matar, de tomar o que não é dado, e de praticar sexo ilícito. Esta é a acção correcta que tem impurezas, que é associada ao mérito, e que resulta em apegos.


E qual é a acção correcta que é sem impurezas, transcendente, e que é um factor do caminho? É a abstenção, a desistência, a abstinência, a prevenção das três formas de má conduta corporal, daquele que desenvolve o caminho nobre, cuja mente é nobre, cuja mente é sem impurezas, e que está totalmente possuído pelo caminho nobre. Esta é a acção correcta que é sem impurezas, transcendente, e que é um factor do caminho.


Se alguém tenta abandonar a acção incorrecta e entrar na acção correcta: este é o esforço correcto. É-se diligente em abandonar a acção incorrecta e entrar e permanecer na acção correcta: Esta é a atenção plena correcta. Assim, estas três qualidades - entendimento correcto, esforço correcto e atenção plena correcta - giram em torno da acção correcta.


[5] Destes, o entendimento correcto é o precursor. E como é que o entendimento correcto vem primeiro? A pessoa compreende o modo de vida incorrecto como modo de vida incorrecto, e modo de vida correcto como modo de vida correcto. E o que é o modo de vida incorrecto? Planear, persuadir, aconselhar, depreciar e perseguir o ganho com o ganho. Isso é modo de vida incorrecto.


E o que é o modo de vida correcto? O modo de vida correcto, eu vos digo, é de dois tipos: Há o modo de vida correcto, que tem impurezas, que é associado ao mérito, e que resulta em apegos, e há o modo de vida correcto nobre, sem impurezas, transcendente, e que é um factor do caminho.


E qual é o modo de vida correcto que tem impurezas, que é associado ao mérito e que resulta em apegos? É o caso de um discípulo dos nobres que abandona o modo de vida incorrecto e mantém a sua vida com o modo de vida correcto. Este é o modo de vida correcto que tem impurezas, que é associado ao mérito, e que resulta em apegos.


E qual é o modo de vida correcto que é, sem impurezas, transcendente, e que é um factor do caminho? É a abstenção, a desistência, a abstinência, a prevenção de um modo de vida correcto, daquele que desenvolve o caminho nobre, cuja mente é nobre, e cuja mente é sem impurezas, e que está totalmente possuído pelo caminho nobre. Este é o modo de vida correcto, que é sem impurezas transcendente, e que é um factor do caminho.


Se alguém tenta abandonar o modo de vida incorrecto e penetrar no modo de vida correcto: este é o esforço correcto. É-se consciente de abandonar o modo de vida incorrecto e entrar e permanecer no modo de vida correcto: Esta é a atenção plena correcta. Assim, estas três qualidades - entendimento correcto, esforço correcto e atenção plena correcta - giram em torno do modo de vida correcto.


Destes, o entendimento correcto é o precursor. E como é que o entendimento correcto vem primeiro? Naquele de entendimento correcto, o pensamento correcto passa a existir. Naquele de pensamento correcto, a linguagem correcta surge. No de linguagem correcta, a acção correcta... no de acção correcta, o modo de vida correcto... No de modo de vida correcto, o esforço correcto surge... No de esforço correcto, a atenção correcta... no de atenção plena correcta, a concentração correcta... no de concentração correcta, o conhecimento correcto... no de conhecimento correcto, a libertação correcta surge. Assim, aquele que aprende é dotado com oito elementos, e o arahant com dez.


Destes, o entendimento correcto é o precursor. E como é que o entendimento correcto vem primeiro? Naquele de entendimento correcto, o entendimento incorrecto é abolido. As muitas qualidades inábeis e prejudiciais, que entram em jogo com o entendimento incorrecto com as suas condicionantes também são abolidas, enquanto que as muitas qualidades hábeis, com o entendimento correcto como condição, alcançam a culminação do seu desenvolvimento. (O mesmo ocorre através dos demais factores:) No de correcta libertação, a libertação incorrecta é abandonada. As muitas qualidades inábeis e prejudiciais que entram em jogo com a libertação incorrecta, as suas condições, também são abolidas, enquanto que as muitas qualidades hábeis que têm a libertação correcta como sua condição, culminam no seu desenvolvimento.

"Assim, bhikkhus, há vinte factores do lado hábil e vinte com inabilidade.


"Este discurso do Dhamma acerca dos Quarenta Notáveis foi colocado em movimento e não pode ser detido por nenhum contemplativo ou brâmane, Deva, Mara ou Brahma, ou qualquer outra pessoa no mundo.


"Se algum brâmane ou contemplativo poder pensar que este discurso do Dhamma dos Quarenta Notáveis, deve ser censurado ou rejeitado, há dez legítimas implicações das suas afirmações que seriam razões para censurá-los aqui e agora. Se censurarem o entendimento correcto, então deveriam honrar qualquer sacerdotes e brâmanes que são de entendimento incorrecto; eles iriam elogiá-los. Se censurarem o pensamento correcto… a linguagem correcta... a acção correcta... o modo de vida correcto... o esforço correcto... a atenção plena correcta... a concentração correcta... o conhecimento correcto... Se eles censurarem a libertação correcta, então deveriam honrar os brâmanes e contemplativos que são de libertação incorrecta; eles iriam elogiá-los. Se algum brâmane ou contemplativo poder pensar que este discurso do Dhamma dos Quarenta Notáveis deve ser censurado ou rejeitado, existem estas dez legitimas implicações das suas afirmações que seriam razões para censurá-los aqui e agora.


"Até mesmo Vassa & Bhañña - aqueles professores de Okkala que eram defensores da não causalidade, da não acção, e não-existência - não acharão que este discurso do Dhamma dos Quarenta Notáveis deva ser censurado ou rejeitado. Porquê? Por medo de crítica, de oposição, e de censura. "


Isto foi o que o Abençoado disse. Gratificados, os bhikkhus deleitaram-se nas palavras do Abençoado.



Traduzido de: http://www.accesstoinsight.org/tipitaka/mn/mn.117.than.html.