A Domesticação da Mente


MN 107

Ganakamoggallana Sutta: O Discurso para Ganaka-Moggallana
Traduzido do Pali para Inglês

por
I.B. Horner

 



Assim eu ouvi: Certa vez o Buda estava em Savatthi no palácio da mãe de Migara no Mosteiro Oriental. Então, o brâmane Ganaka-Moggallana aproximou-se do Buda, tendo-o abordado, trocou cumprimentos com o Buda; tendo conversado de forma cortês e simpática, ele sentou-se a uma distância respeitosa. Quando estava sentado a uma distância respeitosa, o brâmane Ganaka-Moggallana falou assim para o Buda: "Assim como, bom Gotama, neste palácio da mãe de Migara pode ser visto um treino gradual, um progresso gradual, uma prática gradual, isto é, em relação às últimas escadarias, [1] assim, também, Bom Gotama, para estes brâmanes, que podem acompanhar um treino gradual, um progresso gradual, uma prática gradual, ou seja, no estudo [dos Vedas]; [2] assim também, Bom Gotama, para estes arqueiros pode ser considerado um treino... gradual, isto é, na arte de atirar setas com o arco, assim também, Bom Gotama, para nós, cuja profissão é calcular [3] pode ser verificado um treino gradual, um progresso gradual, uma prática gradual, isto é, em contabilidade. Pois, quando temos um aluno, Bom Gotama, nós em primeiro lugar, fazemos ele calcular: 'Um um, dois dois, três três, quatro quatros, cinco cincos, seis seis, sete setes, oito oitos, noves noves, dez dezes, 'e nós, Bom Gotama, também fazemos ele calcular uma centena. Não é possível, bom Gotama, estabelecer um semelhante treino gradual, um progresso gradual, uma prática gradual em relação a este Dhamma e disciplina? "


"É possível, brâmane, estabelecer um treino gradual, um progresso gradual, uma prática gradual, em relação a este Dhamma e Disciplina, brâmane; até um hábil treinador de cavalos, enfrentando um belo puro-sangue, analisa a situação, e em primeiro lugar, ele usa-o para o treinar, com respeito ao uso dos freios. Então, analisando a situação, ele usa a formação contínua - sempre que, brâmane, o Tathagata, recebe um homem para ser domado, em primeiro lugar disciplina-o assim:


Moralidade

"Venha bhikkhu, ser um praticante de moral, viver controlado pelo domínio das obrigações, dotado com [correcto] comportamento e postura, vendo o perigo na mais leve falta e, tomando o compromisso, de se treinar, nas regras de formação." Logo, brâmane, como o bhikkhu é um praticante de moral, controlado pelo domínio das obrigações, dotado com [correcto] comportamento e postura, vendo o perigo na mais leve falta e, tomando o compromisso, de se treinar, nas regras de formação, o Tathagata disciplina-o ainda mais, dizendo:

Controlo dos Sentidos

" Venha bhikkhu, seja cauteloso com as portas dos órgãos dos sentidos; tendo visto uma forma material com o olho, não fique encantado com o aspecto geral, não fique encantado com os detalhes, pois se ficar com o órgão da visão descontrolado, a cobiça e a tristeza, o mal, os estados inábeis da mente, podem surgir. Então, progrida controlando-os; guarde o órgão da visão, consiga o controlo sobre o órgão da visão. Depois de ouvir um som com o ouvido... Tendo sentido um cheiro com o nariz... Tendo saboreado o paladar com a língua... tendo sentido o tacto com o corpo... Tendo consciência de um estado mental com a mente, não se encante com os detalhes. Porque, se ficar com o órgão da mente descontrolado, a cobiça e a tristeza, o mal, os estados inábeis da mente, podem surgir. Então, progrida controlando-os; guarde o órgão da mente, consiga o controlo sobre o órgão da mente."


Moderação na Alimentação


"Assim, brâmane, como um bhikkhu é cauteloso com as portas dos órgãos dos sentidos, o Tathagata disciplina-o ainda mais, dizendo:" Venha bhikkhu, seja moderado na refeição, você deve tomar a comida reflectindo cuidadosamente, não, para se divertir ou por satisfação ou encanto pessoal ou de embelezamento, mas tomando apenas o suficiente para manter esse corpo e mantê-lo com continuidade, para mantê-lo incólume, para promover o Brahma- faring, [4] com o pensamento: Assim, esmagarei um antigo sentimento, e não permitirei que um novo sentimento surja, e então haverá para mim subsistência e ausência de culpa e conforto permanente. "

 

Vigilância



“Assim, brâmane, como um bhikkhu é moderado no comer, o Tathagata disciplina-o ainda mais, dizendo:" Venha bhikkhu, permaneça atento e vigilante; durante o dia, enquanto caminhar de um lado para outro, enquanto estiver sentado, purifique a mente de obstrutivos estados mentais; durante a vigilância da noite, deite-se no lado direito na postura do leão, um pé descansando sobre o outro, diligente, claramente consciente, reflectindo no pensamento de levantar-se novamente; durante a última vigília da noite, quando acordar, enquanto caminhar de um lado para outro, enquanto estiver sentado, purifique a mente de obstrutivos estados mentais.”

Atenção e Consciência Clara

"Assim, brâmane, como um bhikkhu é aplicado na vigilância, o Tathagata disciplina-o ainda mais, dizendo:" Venha bhikkhu, seja possuidor de atenção e consciência clara, agindo com consciência clara, se está a aproximar-se ou a afastar-se, actuando com consciência clara, se está olhando para a frente ou em volta, agindo com consciência clara, se está dobrando ou esticando [os braços], agindo com consciência clara, se está transportando, o manto externo, a taça ou o manto [interior], agindo com consciência clara, se está comendo, bebendo, mastigando, saboreando, agindo com consciência clara, se está obedecendo às chamadas da natureza, agindo com consciência clara, se está caminhando, em pé, sentado, a dormir, acordado, a falar ou em silêncio. "

A Superação dos Cinco Obstáculos

"Assim, brâmane, como ele é dotado de plena atenção e consciência clara, o Tathagata disciplina-o ainda mais, dizendo:" Venha bhikkhu, escolha um alojamento afastado na floresta, na raiz de uma árvore, na encosta de uma montanha, numa ravina, numa caverna do monte, num cemitério, num bosque da floresta, num espaço aberto, ou num monte de palha. No regresso da colecta de esmolas, após a refeição, o bhikkhu senta-se de pernas cruzadas, mantendo as costas erectas, fazendo a atenção elevar-se na sua frente. Livra-se da cobiça pelo mundo, permanece com a mente desprovida de cobiça, purifica a mente de cobiça. Livra-se da mácula, da má vontade, permanece com a mente benevolente, compassivo e misericordioso para com todas as criaturas e seres, ele limpa a mente de má vontade. Livra-se da preguiça e torpor, permanece sem preguiça ou torpor; percebendo a luz, diligente e claramente consciente, limpa a mente da preguiça e torpor. Livra-se da inquietação e da preocupação, permanece calmamente, a mente interiormente tranquila, ele limpa o espírito de inquietação e preocupação. Livra-se da dúvida, ele permanece impedindo a dúvida; sem perplexidade para os estados que são hábeis, [5] purifica a mente de dúvida.


Jhana

"Por se livrar destes cinco obstáculos, [6], que são impurezas da mente que causam danos à sabedoria intuitiva, afastado dos prazeres dos sentidos, desprendido dos estados inábeis da mente, ele entra e permanece na primeira meditação que é acompanhada nos pensamentos iniciais pelo pensamento discursivo, que nasce da indiferença e é arrebatadora e alegre. Pela dissipação dos pensamentos iniciais e do pensamento discursivo, com a mente subjectivamente tranquilizada e fixa num ponto, ele entra e permanece na segunda meditação, que é desprovida de pensamentos iniciais e do pensamento discursivo, que nasce da concentração e é arrebatadora e alegre. Pelo desvanecimento do êxtase, ele permanece com equanimidade, atento e claramente consciente, e experimenta em si, a alegria do qual os ariyans [7] dizem: “Tem vida alegre, aquele que tem serenidade e é consciente “, e ele entra e permanece na terceira meditação. Ao livrar-se da angústia, e pela diminuição dos seus antigos prazeres e tristezas, ele entra e permanece na quarta meditação, que não tem nem angústia nem alegria, e que é inteiramente purificada pela serenidade e atenção.

"Brâmane, estas são as minhas instruções para aqueles bhikkhus, que são estudantes e que ainda não alcançaram a perfeição, e que aspiram, a partir das amarras, por morar na incomparável segurança. Mas, para aqueles bhikkhus, que são aperfeiçoados, que destruíram as úlceras, que vivem a vida, fazem o que deve ser feito, que derramaram as aflições, atingiram a sua meta própria, destruíram completamente os grilhões, e que estão libertados pelo perfeito conhecimento profundo - essas coisas conduzem ambas, à facilidade na permanência aqui e agora, assim como à atenção e consciência clara. "

Quando isto foi dito, o brâmane Ganaka-Moggallana falou assim ao Buda:

"Nestas condições, ao serem assim exortados e assim instruídos pelo Bom Gotama, todos os discípulos do Bom Gotama atingem o imutável objectivo [8] – Nibbana; ou alguns não o alcançam?"

"Alguns dos meus discípulos, brâmane, ao serem exortados e instruídos por mim, alcançam o imutável objectivo - Nibbana; alguns não o alcançam."


"Qual é a causa, Bom Gotama, qual é o motivo porque; uma vez que nibbana existe, uma vez que o caminho que conduz a Nibbana existe, uma vez que o Bom Gotama como conselheiro existe, porque é que alguns dos discípulos do Bom Gotama ao serem assim exortados e assim instruídos pelo Bom Gotama, atingem a imutável meta - Nibbana, mas alguns não alcançam? "

"Bem, então brâmane, em resposta, questioná-lo-ei sobre este ponto. Como lhe é agradável, então você pode responder-me. O que você acha sobre isto, brâmane? Você conhece o caminho que conduz a Rajagaha?"

"Sim, senhor, sou experiente no caminho que conduz a Rajagaha".

"O que você acha sobre isto? Um homem pode vir aqui querendo ir para Rajagaha. Tendo-se aproximado de você, ele pode falar assim: 'Eu quero ir para Rajagaha, senhor, mostre-me o caminho para Rajagaha. Você poderia falar-lhe assim: "Sim, meu bom homem, esta estrada vai para Rajagaha; prossiga nela por algum tempo. Quando tiver andado ao longo dela por algum tempo, você verá uma aldeia; prossiga por algum tempo; quando tiver andado ao longo dela por algum tempo, você verá um mercado na cidade; prossiga por algum tempo. Quando tiver ido ao longo dela por algum tempo você verá Rajagaha com os seus parques deliciosos, florestas deliciosas, campos deliciosos, lagoas deliciosas. Mas, embora ele tenha sido exortado e instruído por você, assim, ele pode tomar o caminho errado e ir para o oeste. Então, um segundo homem poderia vir e querer ir para Rajagaha... (como acima)... você verá Rajagaha com o seu delicioso... lagoas. Exortado e instruído, por você, pode alcançar Rajagaha com segurança. Qual é a causa, brâmane, e qual a razão, porque, uma vez que Rajagaha existe, uma vez que o caminho que conduz a Rajagaha existe, uma vez que como conselheiro você existe, um homem, apesar de ser exortado e instruído por você, assim, pode tomar o caminho errado e ir para o oeste, enquanto o outro pode chegar a Rajagaha com segurança? "


"O que posso, fazer nesta matéria Bom Gotama? Eu sou um guia do caminho, Bom Gotama."

"Mesmo assim, brâmane, Nibbana existe, o caminho que conduz a Nibbana existe e eu como conselheiro existo. Mas alguns dos meus discípulos, ao serem exortados e instruídos assim por mim, alcançam o imutável objectivo - Nibbana, alguns não o alcançam. O que posso, fazer nesta matéria, brâmane? Um Tathagata, é o guia do caminho, brâmane. "

Quando isto foi dito, o brâmane Ganaka-Moggallana falou assim ao Buda:


"Bom Gotama, quanto aquelas pessoas, que querem seguir um modo de vida, depois de terem saído de casa para viverem sem teto, sem fé, que são astutas, fraudulentas, enganosas, que são desequilibradas e agressivas, que são mutáveis, indecentes e de conversa solta, cujas portas dos órgãos dos sentidos não são guardadas, que não conhecem a moderação no comer, que não têm a intenção de vigilância, indiferentes à solidão, e sem entusiasmo e respeito pelo treino, que são os mais abundantes, frouxos, que vão na frente da apostasia, esquivando-se da carga do isolamento, que são indolentes, fracos de energia, de plena consciência confusa, que não são claramente conscientes, não concentrados, de espírito errante, que são fracos na sabedoria, tolos - o Bom Gotama não esteja em comunhão com eles.

Mas, para aqueles jovens de respeitáveis famílias que saíram de casa para viverem sem tecto, de fé, que não são astutos, fraudulentos ou enganosos, que não são desequilibrados ou agressivos, que não são mutáveis, indecentes ou de conversa solta, cujas portas dos órgãos sensoriais são guardadas, que conhecem a moderação no comer, que têm a intenção de vigilância, a ânsia da solidão, o entusiasmo e respeito pelo treino, que não são aqueles em abundância, não frouxos, não esquivos, não apóstatas, assumindo a liderança na solidão, que despertam energia, auto-determinados, com plena consciência desperta, claramente conscientes, concentrados, de mentes unificadas, que têm sabedoria, que não são tolos - o Bom Gotama está em comunhão com eles.

Como, Bom Gautama, a Black Gum [Nyssa sylvatica, também Íris Negra], é apontada como a chefe das raízes aromáticas, como o sândalo vermelho é apontado como o chefe dos perfumes, e o jasmim é apontado como o chefe dos perfumes das flores - mesmo assim é a exortação do Gotama bem mais elevada entre os ensinamentos de hoje.

Excelente, Bom Gotama, excelente, Bom Gotama. Como, Bom Gotama, se pode corrigir o que havia sido perturbado, ou revelar o que tinha sido coberto, ou mostrar o caminho para o que se extraviou, ou trazer uma lâmpada de óleo no escuro, para, que aqueles com visão, possam ver as formas materiais - da mesma forma, de muitas imagens é o Dhamma claramente feito pelo Bom Gotama.

Vou honrar o Gotama para encontrar refúgio juntamente com o Dhamma e a Ordem dos Bhikkhu. Possa o Bom Gotama aceitar-me como um leigo seguidor, que vai para o refúgio, a partir de hoje e enquanto a vida durar ".

Notas

1.  Os de sete andares do palácio não são construídos num dia [Comentário].  
2.  Não é possível aprender os três Vedas de memória num dia [Comentário].
3.   Ganana. A partir desta sua profissão, a adição da distinção do nome é derivado de brâmane [Ed., The Wheel].  
4.   Brahmacariyam. Refere-se à vida pura de um solitário celibato [Ed., The Wheel].
5.   Kusala. Às vezes traduzido por "salutar, rentável, karmicamente salutar". [Ed., The Wheel].
6.   Sobre estas, veja The Wheel No. 26.
7.   Ariya refere-se aqui, de acordo com o Visuddhimagga, para os Iluminados.
8.   Accantanittha. Accanta também pode significar "superior, culminar, supremo".

  

Traduzido de:  http://www.accesstoinsight.org/tipitaka/mn/mn.107.horn.html